quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Palavra dada e apertos de mão



Hoplita saudando com um aperto de mão um homem mais velho - Grécia antiga - séc. V aC

Outrora, em tempos idos, já muito, muito esquecidos, a palavra de um homem tinha o valor de um contrato. Selava-se com aperto de mão, e às vezes nem isso. Bastava a palavra pronunciada por Fulano para que Beltrano tivesse a certeza de que assim seria. E faltar à palavra dada era desonra. Profunda e verdadeira desonra. Manchava o indivíduo, maculava a família. Andariam todos de olhos baixos. Vergados pelo peso da vergonha. Envoltos na humildade que lhes crescia à medida que a integridade encolhia. O faltoso ponderava o suicídio. Sempre era mais digno matar-se e limpar da vergonha a família do que persistir numa vida entrevada pela falta de carácter que o incumprimento da palavra dada supunha. E, por vezes, nem era culpa do faltoso. Convergiam circunstâncias de uma tal fatídica maneira que o impediam de humanamente honrar o compromisso. Não era culpa dele, não senhor. Mas de passar pela vergonha do culpado, isso já ninguém lho tirava.

Foram desaparecendo aos poucos esses homens de palavra. Perderam-se na bruma dos tempos. E os poucos que ainda existem ocultam-se. Porque são homens honestos, íntegros, rectos. São espécie quase extinta. E portanto podem ser trucidados a qualquer momento.

A honestidade, a integridade, a rectidão, foram substituídas pela corrupção, pela mentira, pela astúcia. Foram substituídos os conteúdos mas não os nomes. Ao longo dos tempos, os conceitos das virtudes que constituíam o carácter são e humano de um homem foram esvaziando-se de conteúdo. E o vazio que ficava foi sendo cuidadosamente preenchido com os instrumentos da manipulação. Com os instrumentos que iriam garantir a perpetuação do poder em todos os seus aspectos. Com todos os instrumentos que, pela sua própria natureza desumana, não fizeram jamais parte do carácter são de um homem verdadeiro.

Foi então que se instalou a grande confusão. Tendo-se mudado o sentido dos conceitos mas tendo-se-lhes mantido o nome, começou a ser frequente louvar o canalha e achincalhar o homem de bem.

Tenha, pois, cuidado, caro leitor, que o que parece já não é! Quando lhe disserem que o candidato fulano de tal é um homem de impoluta rectidão e de transparência inigualável, pode ter a certeza, caro leitor, que o candidato é um podre corrupto e um inveterado mentiroso. Quando ouvir os governos dizerem que para bem do país e do povo foram forçados a tomar esta e aquela medidas, fique o caro leitor ciente do seguinte: as medidas escolhidas foram as que beneficiaram o interesse particular, aquilo de que o país beneficiou foi ascender dois ou três lugares na escala da corrupção mundial ou ter subido mais uns pontos na consideração das máfias internacionais e o povo, você e eu incluídos caro leitor, simplesmente ficou a conhecer mais uma das mil e uma maneiras de ser sodomizado.

Assim sendo, e tal como estão as coisas, talvez seja melhor dar atenção à palavra e evitar apertos de mão...
























terça-feira, 26 de novembro de 2013

Receita de... simplicidade!

Queres acabar com a angústia, com o sofrimento? Fazer desaparecer a frustração, o desejo de querer sempre mais e mais, o vazio que pareces incapaz de preencher? Queres erradicar da tua mente e do teu coração palavras dolorosas como crise, austeridade, corrupção? Sim? Então começa a viver como um verdadeiro ser humano!

Vive o dia-a-dia com a profunda consciência de que de pouco precisas para viver. Tecto, alimento e roupa. Isso é tudo. Todo o resto que pensas que precisas, já o tens. Dentro de ti. Aligeira as posses externas e multiplicarás os tesouros internos.



“Contenta-te com o que tens, alegra-te com a maneira como as coisas são. Quando te apercebes de que não falta nada, o mundo inteiro pertence-te.”
Lao Tzu


Arranja um tecto. Limpo, claro, de preferência banhado pelo sol. E habita-o sem a estúpida preocupação de que seja teu.  Já reparaste que tudo o que possuis é apenas emprestado? Basta-te fechar os olhos e eis que os tão apreciados bens mudam de mãos. E é um processo infindável… Manda as imobiliárias e o IMI para o raio que os partam. Mantém dentro apenas o estritamente necessário. Uma casa cheia de artefactos e geringonças e parafernálias de todo o tipo rouba-te vida porque te distrai. Deleita-te a percorrer-lhe o chão com os pés descalços no Verão, ou a ficar enrolado numa manta quente no Inverno, naquele cadeirão junto à janela, onde os cenários das histórias dos livros que lês se fundem com a paisagem que vês lá fora. 



“Se avançarmos confiantemente na direcção dos nossos sonhos, e nos esforçarmos por viver a vida que imaginámos, passaremos por um inopinado sucesso na nossa vida normal… Proporcionalmente quando simplificamos a nossa vida, as leis do universo parecerão menos complexas, e a solidão não será solidão, nem a pobreza pobreza, nem a fraqueza fraqueza.”
Henry David Thoreau, Walden ou a Vida no Bosque, 1854


Alimenta-te do que é natural. Esquece as mixórdias processadas, cheias de E’s e outros venenos que tais. Esquece as atractivas embalagens coloridas, os anúncios espectaculares que vês na televisão, as marcas badaladas que toda a gente prefere: apenas truques insidiosos para te levarem a consumir o que não precisas. Esquece as novas tendências da cuisine, a fútil e egoísta sofisticação gourmet. Aprende a saborear uma sopa quente de legumes quando as noites frias te entram em casa, ou um fresco sumo de frutas quando o calor te suplica um refresco.

O alimento natural, aquele que não sofre nenhuma transformação, ou quase nenhuma, é o alimento mais adequado ao teu organismo. A Natureza é sábia e os seus frutos providenciam todos os nutrientes de que necessitamos. A artificialização, a industrialização que modifica o estado natural dos alimentos, o fabrico em massa de substitutos do produto natural, são apenas estratégias de lucro. Alguém enriquece enquanto tu, iludido pelo logro do desenvolvimento e da evolução, fazes do teu organismo um parque de doenças.

Pára de beber Coca-cola e Pepsi e todas essas bebidas artificiais. Não porque uma qualquer vedeta possa ficar melindrada, mas porque são prejudiciais à saúde. Acrescenta água à água do teu corpo e mantém assim o equilíbrio.



“Que a comida seja o teu medicamento.”
“A força de cura natural dentro de cada um de nós é a maior força para se ficar bem.” 
“A tudo o que é em excesso se lhe opõe a natureza.”
Hipócrates


Veste o corpo pela única razão de que o deves proteger do frio ou do calor. Aconchega-o com tecidos de fibras naturais. Não lhe negues os movimentos naturais com roupa apertada nem lhe tolhas a transpiração com tecidos artificiais. Cobre o corpo da mesma forma natural com que bebes um copo de água quando tens sede. Com essa mesma naturalidade. Esquece as modas que te escravizam. Esquece as marcas que te fazem cúmplice de desumanidades. Afinal, tu, que és um ser único e irrepetível, por que hás-de querer parecer-te com uns milhares? Tem muito mais valor a tua individualidade e a tua capacidade criativa única do que a aceitação social de um padrão que, mais uma vez, serve, única e exclusivamente, para alguns enriquecerem à custa da tua ingénua e inútil vaidade.

Paulatinamente começa a tornar-te humano. Recusa seguir caminhos já traçados. Nega-te a parecer um artigo de série.

Alimenta a tua mente com o optimismo, com a verdade, com a indescritível e insuperável alegria do momento presente, do agora. 



“[…] Fugir  como se fosse da peste, de todas as pessoas maledicentes, viciosas, ruins, indolentes, invejosas, vaidosas ou vulgares, com motivações inferiores, com mente pobre de entendimento ou que se utilizem de uma vulgar sensualidade como elemento atractivo para os seus discursos ou ocupações. O cumprimento desta regra é de importância decisiva: trata-se de mudar a contextura espiritual da tua alma. É o único meio de mudar o teu destino, pois este depende dos nossos actos e pensamentos. O azar não existe.”
Paracelso, em As Sete Regras de Paracelso


Nutre o teu intelecto com conhecimento, não com informação. Larga os romances cor-de-rosa, os livros sobre política que te manipulam, os jornais diários que te imbecilizam. Procura o saber, o conhecimento, nos legados deixados pelo Homem, antes que o homem se tivesse transformado neste ser amorfo que agora é. Desliga a televisão, o rádio, o telemóvel, que devoram um dos teus mais preciosos bens: o tempo. Não temas, porque não vais voltar à pré-história. Voltarás sim, se assim quiseres, à tua própria história, aquela que em silêncio habita em ti e que, de quando em vez, te sussurra coisas que te deixam inquieto. Que é, afinal, a história universal. A realidade está dentro de ti. Aquilo que crês viver é apenas a ficção que para ti próprio criaste…



“A simplicidade é a suprema sofisticação.”
Leonardo da Vinci


O momento virá em que vais perceber que todos os artefactos de que te rodeias e que crês firmemente que te facilitam a vida, são os grandes responsáveis pela perda dela. Entretido com as geringonças, deixas passar a vida sem lhe sentir o verdadeiro sabor. Atarefado entre um jogo de futebol que te automatiza, que falseia sentimentos e emoções, e o episódio de uma série que gravaste para ver mais tarde; entre as dezenas de chamadas no telemóvel, a maior parte delas desnecessários e inúteis cacarejos e as mensagens de correio electrónico, que mutam e deformam o relacionamento real entre o ser humano, esqueces o que de mais importante existe na tua vida: o autoconhecimento! Passa tempo contigo próprio. Ouve-te. Entrega-te, desarmado, ao silêncio universal. Completa-te contigo próprio.

Chegará então o momento em que colmatar a sede com um simples copo de água, a fome com algumas frutas sumarentas e doces, e o cansaço dormindo durante as horas em que a Natureza dorme, serão actos que, na sua aparente simplicidade, constituirão a mais elevada sofisticação do ser humano. Porque assim procedendo, o ser humano aprendeu onde reside o verdadeiro valor das coisas, aprendeu que a vida deve ser vivida em perfeita consonância com as leis do universo, com os ritmos da Natureza. E a felicidade, aquela coisa que todos procuram e parecem não encontrar, será o estado intrínseco do ser humano que se sabe parte integrante do Todo, da Consciência Universal.



“Tem necessariamente de ser que o que pode ser dito e pensado existe; porque é possível que exista, e não é possível que o que não é nada exista. E isto é o que te convido a ponderar. Afasto-te deste primeiro caminho de inquirição, e destoutro também, em que os mortais que nada sabem deambulam hipócritas; porque a impotência guia o pensamento errante no peito deles, pelo que, entorpecidos, são arrastados de um lado para o outro como homens surdos e cegos. Multidões sem discernimento que crêem que existir e não existir é o mesmo e não é o mesmo, e para quem o caminho de todas as coisas é sempre um voltar atrás!”
Parménides, fragmento de O Poema de Parménides



quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Reflectindo sobre os trogloditas ou a excepção que confirma a regra


Troglodyte Rockabilly de Olaf del Gaizo

Algo de verdadeiramente sério se passa com o ser humano. Não evolui. A mentalidade actual continua ao nível do mais básico troglodita. Sofisticado sem dúvida, mas ainda assim troglodita. O respeito e a educação não existem. Ou melhor, estão em vias de extinção. Chega a ser deprimente a forma displicente e sobranceira com que o indivíduo actual trata o seu semelhante. E este comportamento está patente em todas as idades, em todas as áreas e em todas as chamadas “classes sociais”.



De pequenino se torce o pepino... Excelente futuro espécimen "humano"...


As crianças e os adolescentes de hoje são levados a pensar, pela deficiente educação que recebem dos pais e da sociedade, que são superiores a toda a gente, que são mais espertos que toda a gente, que têm mais direitos que toda a gente e menos deveres que toda a gente. É por isso extremamente comum ver, em público, birras, respostas mal-educadas, atitudes de insolência, comportamentos violentos, etc..



Como em tudo, o poder do forte sobre o mais fraco...


Por sua vez, o indivíduo médio, o tal que não sabe educar a sua prole, reserva a sua pouca educação e o seu pouco respeito para coisa pouca. Defende, por exemplo, com unhas e dentes, nacionalismos idiotas, tais como a suposta grande ofensa a um idolozito do futebol. Ou defende acerrimamente, com doentio patriotismo, uma bandeira mais que enxovalhada pelos políticos que, curiosamente, apoia e em quem, curiosamente, vota. Completamente embotado, casca de noz à deriva no oceano dos altos interesses políticos, tão estupidificado está que venera hoje quem ontem demonizava, ouve atentamente hoje quem ontem raivosamente vaiava. O indivíduo médio é um tosco robot totalmente programado para ser bruto, ignorante, mal-educado. Para ser respeitoso apenas para com aquilo que o mantém adormecido: futebol, o 25 de Abril, e um patriotismo mofento, esbotenado, que se mantém de pé apenas com o alicerce da memória de “heróicos feitos” passados. Fora isto, nada. A asinina mentalidade que o caracteriza não é suficiente para se aperceber do seu tão humilhante quão jocoso papel de peão no tabuleiro das dementes atrocidades da cúpula do poder. Pau-mandado, berra e gesticula nas manifestações, e nem se apercebe que a sua “indignação” é arma do inimigo. Imbuído de um espírito de luta, faz greves e repete slogans tão gastos e puídos quanto a infrutífera espera de resultados. Asnalmente prejudica os semelhantes mas, pateta, afirma, ufano, que luta por todos nós. Ah, que estúpida ingenuidade, que ignorância estupidificante, que mansa bestialidade…



Sem medo? Sem consciência 
... e sem cérebro!




























Mais chocante, contudo, é a atitude do indivíduo dito “educado”, “instruído”, “erudito”. Esse indivíduo, munido do seu título, sai do sistema de ensino totalmente condicionado. Daí que cometa, logo de início, três erros crassos. O primeiro é pensar-se livre. O segundo é achar que toda a informação que obteve o coloca num patamar distinto e mais elevado do que o seu semelhante. E o terceiro é crer-se detentor da verdade. Nada mais errado. Estes indivíduos são tão autómatos quanto o indivíduo comum. Servem o objectivo do sistema na perfeição, seja qual for a área em que sirvam. Na política, trajados de importância e portadores da aura do poder, crêem-se intocáveis, mas não passam de yes men do chefão que se oculta na segurança do quase anonimato. Na área da ciência, por exemplo, seguem o método científico com a devoção dos beatos. A cegueira é tanta que o que não pode ser provado por aquele método, para eles, pura simplesmente, não existe, mesmo que esteja nesse momento a morder-lhe a ponta do nariz. Também, tal como o indivíduo médio, desconhecem o significado de respeito, e a atitude que dos poros lhes transpira é a arrogância da pretensa irrefutabilidade das palavras que proferem como doutrina. Assim agem os “cultos”, os “letrados”, os “intelectuais”, os “artistas”. Não há, nesses indivíduos, lugar nem para a humildade, nem para o respeito. Tal como não têm lugar para o autoquestionamento, para a auto-exploração. São terra estéril em que a semente, semimorta e des-almada, nunca poderá ser excepção de regra.


"A sabedoria não entra numa mente maldosa, e a ciência
sem consciência não é senão a ruína da alma" - François Rabelais

Perguntará o leitor: mas, e então, quem é que resta que se aproveite? E eu respondo-lhe: restam os tolos. Os loucos, se quiser. As excepções, pouquíssimas, que confirmam a regra que se julga excepção. Os insensatos cujo sonho jamais se deixa limitar porque não vislumbram fins na existência. Os insanos que mergulham nas profundidades do seu próprio ser e vislumbram as leis do universo que nenhuma equação consegue explicitar. Os simples que viajam em silêncio na consciência eterna, que cavalgam para além das fronteiras impostas pelos cegos. Aqueles poucos que transpõem com o espírito os obstáculos que os “sãos” afirmam intransponíveis. É isso mesmo, só os loucos se aproveitam…


"Montanha Mística" na Nebulosa Eta Carinae

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Incomunicabilidades



Flight of the Sun - Vladimir Kush

Todos falamos português, mas parece, a maior parte das vezes, que não nos expressamos na mesma língua. Ainda que o resultado sejam sempre palavras, eu falo a partir da alma, do coração, do que sai tanto das profundezas do meu ser como das alturas do universo. É por isso que não me entendem. Eles não descem nem sobem. Não sentem vontade de ir mais além…

Falo-lhes da vida, que de tão sagrada deveria ser intocável, e eles falam-me de vingança, de impor justiça, de matar em nome da liberdade. Pena que não saibam que vingança é ódio em banho-maria, que a justiça não se impõe, pratica-se individualmente, que a morte só é aceitável se não acontecer às mãos de ninguém, e que liberdade é o que se encontra quando a vingança, o ódio, a imposição e a morte infligida forem meras cinzas desvanecidas e olvidadas.

Falo-lhes da felicidade e da alegria que me inundam, que de tão intensas e puras quase me elevam ao êxtase. E eles perguntam-me “Estás feliz porquê?”. Não entendem que não é preciso haver uma razão. Ou melhor, que não havendo nenhuma, há todas as razões e mais alguma!

Ah, se se atrevessem a descer às próprias profundezas, ou a subir tão alto que quase se perdessem no infinito, se ousassem passar para lá da fronteira que lhes foi estabelecida, ou que eles próprios criaram, nem português precisariam de saber falar. Em silêncio, bastaria um brilho no olhar, um mudo assentimento, e então saberiam do que falo…

terça-feira, 30 de julho de 2013

Sonhar... imaginar

Porque o sonho, a imaginação, podem ser um abrir de asas, um voo para o infinito, um passeio no eterno...



Sonhe, caro leitor, sonhe...

quarta-feira, 3 de julho de 2013

O Rei Morreu, Viva o Rei ou Ascensões e Quedas



Sempre esteve à vista de todos! Infelizmente ninguém quis ver. Ninguém quer ver. Embora esteja a referir-me à imaturidade do ser humano em geral, não posso, neste momento, deixar de salientar a gritante imaturidade da garotada portuguesa. Governantes e governados. Estão todos ao mesmo nível: catraios cuja responsabilidade se limita ao gozo máximo do brinquedo que, em determinado momento, tiverem entre mãos. Porque no momento seguinte, por obra da volubilidade que caracteriza os petizes imberbes à descoberta do mundo, ei-los que largam, desinteressados, o brinquedo agora entediante e correm à descoberta de outro, tão imbecilmente entusiasmados como quando correram para o anterior.

Movem-se em círculos viciosos. E por mais repetidamente que o façam, parecem retirar da torpe brincadeira o mesmo grau de gozo. São astutos os governantes e uns simples os governados. Será que nem uns nem outros se dão conta da natureza ridícula e de faz-de-conta dos seus próprios actos? O governado, ouvindo falar em eleições, põe as antenas no ar, incha com o direito que alguém não existente lhe outorgou e arroga-se de salvador da pátria, incitando amigos e companheiros a votar em X. O governante, com eleições pela frente, em bicos de pés e todo insuflado, parece crescer com uma autoridade que ninguém lhe concedeu e promete mundos e fundos. Depois das eleições, como se de um ritual se tratasse, o governado, mais uma vez, bate com os cornos na parede perante a imutabilidade das coisas e, mais uma vez, sente-se defraudado; e o governante, manhoso e embusteiro, mais uma vez se governa com uma abundância que não é sua enquanto, hipocritamente, arrota palavras de patriotismo que são tiro e queda para inebriar a inculta e lerda massa eleitoral.

Prossegue a brincadeira. Repete-se o padrão. Uns cansaram-se de brincar e, amuados, gritam a pleno pulmão “Não brinco mais a isto!”. E vão-se embora. Outros, com um  paternalismo fictício e uma bem estudada atitude de aparente responsabilidade e maturidade, batem o pé e insistem “Não vale desistir! Eu vou jogar até ao fim!”.

Ah, povo estúpido, que mais uma vez vais cair na ratoeira que tão subtilmente te têm preparado ao longo de décadas! Ah, povo ignorante, que te não dás conta que por mais que gire o carrocel, as voltas são sempre iguais e a paisagem é sempre a mesma! Ah, povo inculto, que ainda não aprendeste que campanha eleitoral significa, na prática, ditadura autorizada! Ainda não percebeste que eleições são meras disputas de poder entre meia dúzia de macacos que parecem agredir-se à tua frente, mas que, na realidade, são inseparáveis companheiros e frequentam o mesmo galho do conluio e do ludíbrio! Tu, povo estúpido, continuas a dançar ao som do “vira o disco e toca o mesmo”, continuas a venerar candidatos que mais tarde odiarás e substituirás por igual ou pior. Continuas a confundir lobos com carneiros, quer sejam esses lobos os que elegeste ou virás a eleger, quer sejam os tristes e ocos agitadores que te chamam a lutas inglórias e cujo único fim é parir números, contar cabeças do rebanho.

Suspiras por mudança, povo estúpido? Então muda tu.

Anseias por justiça, povo ignorante? Então sê justo.

Almejas liberdade, povo inculto? Então liberta-ta a ti mesmo.


- E lembrem-se - recomenda o lobo, sorridente e persuasor - agora
 é novamente a vez do partido X! Não se esqueçam de votar nele!


quarta-feira, 5 de junho de 2013

Buscas e Legados




A solidão é o destino do buscador. Porque o buscador sai do caminho traçado. Porque o buscador questiona e atreve-se a refutar o irrefutável. De algum modo, mais ou menos subtil, mais ou menos evidente, o buscador é posto à margem da marcha estereotipada da sociedade. Para esta, o buscador é um louco, vive no “mundo da lua” e só diz disparates.

A solidão é o destino do buscador. Mas a sua solidão não é o estar só porque não tem ninguém. A sua solidão é estar só no mundo inteiro, no cosmos inteiro, e ainda que só, sentir o pulsar da alma dos outros buscadores. O que é, afinal, não estar só.

Por vezes, muito poucas no decorrer de toda uma vida, o buscador tem a sorte de encontrar outro buscador e de com ele aprender. Para o primeiro é uma bênção, um alumiar do caminho. Para o segundo, será por certo uma bênção alumiar o caminho de alguém.

Abraham Gonzalez, no seu blogue – El Rapto de Psique - e nos seus livros[i], demonstrando um vasto conhecimento, com humor e uma extraordinária abrangência, faz-nos descobrir o essencial e o eterno por entre toda a complexidade do conhecimento humano. E faz mais ainda: toma-nos da mão e faz-nos viajar quer pelos recônditos da alma humana, quer por toda a estrada da sabedoria perene que a humanidade, ofuscada pelos brilhos da superficialidade, preferiu deixar repousar num quase opaco esquecimento. Abraham acompanha-nos por essa estrada e resgata do olvido tudo aquilo que o Homem jamais deveria ter deixado para trás.

Entrar no mundo de Abraham Gonzalez é, para o buscador, tornar mais amplo e mais iluminado o seu caminho. É saber que, na sua manifesta solidão, não está, e nunca estará, só.

Eis um capítulo extraído do seu livro “Simplemente Ocurre” e que é, como o próprio título indica, um verdadeiro legado:

"Legado



Após algum tempo aprenderás a diferença entre dar a mão e socorrer uma alma, e aprenderás que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre quer dizer segurança.

Começarás a aprender que os beijos não são contratos, nem prendas, nem promessas… começarás a aceitar as tuas derrotas com a cabeça erguida e o olhar em frente, com o encanto de uma criança e não com a tristeza de um adulto, e aprenderás a construir hoje todos os teus caminhos, porque o terreno do amanhã é incerto para os projectos e o futuro tem o hábito de cair no vazio.

Depois de um tempo aprenderás que o sol queima se te expões demasiado… aceitarás inclusivamente que as pessoas boas podem magoar-te alguma vez e precisarás de perdoá-las…

Aprenderás que falar pode aliviar as dores da alma… descobrirás que leva anos a construir a confiança e apenas um segundo destrui-la, e que tu também poderás fazer coisas das quais te arrependerás o resto da vida. Aprenderás que não temos de mudar de amigos se estivermos dispostos a aceitar que os amigos mudam. Dar-te-ás conta de que podes passar bons momentos com o teu melhor amigo a fazer qualquer coisa ou simplesmente nada, somente pelo prazer de usufruir da sua companhia.  

Descobrirás que muitas vezes julgas superficialmente as pessoas que mais valor têm para ti, e por isso devemos dizer a essas pessoas que as amamos porque nunca teremos a certeza de quando será a última vez que as vamos ver.

Aprenderás que as circunstâncias e o meio que nos rodeia têm influência sobre nós, mas nós somos os únicos responsáveis pelo que fazemos. Começarás a aprender que não devemos comparar-nos com os outros salvo quando quisermos imitá-los para sermos melhores. Descobrirás que leva muito tempo para chegares a ser a pessoa que queres ser, e que o tempo é curto.

Aprenderás que não importa onde chegaste, mas sim aonde te diriges...

Aprenderás que se não controlas os teus actos serão eles a controlar-te e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, porque não importa o quão delicada e frágil é uma situação: sempre existirão dois lados. Aprenderás que heróis são aqueles que fizeram o que era necessário, enfrentando as consequências... aprenderás que a paciência requer muita prática.

Descobrirás que por vezes, a pessoa que esperas que te pontapeie quando caíres talvez seja uma das poucas que te ajudem a levantar. Amadurecer tem mais a ver com o que aprendeste das experiências do que com os anos vividos. Aprenderás que há muito mais dos teus pais em ti do que aquilo que supões.

Aprenderás que nunca se deve dizer a uma criança que os seus sonhos são parvoíces porque poucas coisas são tão humilhantes como esta e seria uma tragédia se ela acreditasse.

Aprenderás que quando sentes raiva, tens direito a tê-la, mas isso não te dá o direito de ser cruel. Descobrirás que só porque alguém não te ama da maneira que tu queres, isso não significa que não te ame tudo o que pode, porque há pessoas que nos amam mas que não sabem demonstrá-lo... Nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, por vezes terás de aprender a perdoar-te a ti próprio.

Aprenderás que com a mesma severidade com que julgas, também serás julgado e – em algum momento – condenado. Aprenderás que não importa em quantos pedaços se partiu o teu coração, o mundo não pára para que o consertes.

Aprenderás que o tempo não é algo que possa voltar atrás, portanto, deves cultivar o teu próprio jardim e adornar a tua alma, em vez de esperar que alguém te traga flores.

Então, e só então, saberás realmente o que podes suportar; saberás que és forte e que poderás ir muito mais longe do que pensavas quando acreditavas que não se podia ir mais. E que a vida tem valor quando tens a coragem de enfrentá-la."

Em “Simplemente Ocurre”
Tradução: Isabel G


Gracias, Abraham!



[i] Para saber mais sobre os livros de Abraham Gonzalez, visite o blogue e/ou contacte o autor, ou ainda visite o Scribd.


sexta-feira, 31 de maio de 2013

Monstros no Poder


A desumanidade ainda me surpreende, ainda me choca, ainda me agonia. Não porque não abundem os vis e tenebrosos exemplos neste mundo em franco declínio, mas porque, no mais recôndito do meu ser, albergo a esperança de um renascimento ainda que, talvez, num futuro demasiado distante...



Gina Rinehart Pede Esterilização dos Pobres



A multimilionária conservadora Gina Rinehart pediu hoje a esterilização dos pobres, argumentando que a única maneira de aliviar a pobreza é impedir as “classes desfavorecidas” de se multiplicarem.

Num vídeo carregado na sua conta oficial do You Tube, a herdeira mineira australiana disse que a desigualdade de rendimentos é causada por diferenças na inteligência e que a eugenia é a única solução.

“A nossa nação enfrenta uma grave crise económica visto que a combinação de um dólar australiano forte e a queda de preços das matérias-primas esgotam a nossa capacidade de competir globalmente,” explicou ela, “a única solução lógica para esta crise é fortalecer a qualidade do nosso recurso mais valioso: o capital humano. Penso que qualquer casal que ganhe menos de $100.000 por ano deveria ser esterilizado à força através de uma vasectomia ou da ligação da trompa de Falópio. Aqueles que ganhem mais do que $100.000 devem ser encorajados a ter 10 ou 12 filhos.
Somente eliminando o que não serve e concentrando-nos nos nossos trabalhadores mais inteligentes e mais eficientes é que podemos ter a esperança de derrotar os nossos rivais no mundo emergente”.


Herdar a Terra

Rinehart é a pessoa mais rica da Austrália e é considerada uma das mulheres mais ricas do mundo. A maior parte da sua fortuna vem de uma empresa mineira que herdou do seu pai e mais tarde se tornou líder na exportação de minério de ferro.

A sua fortuna prosperou durante o longo boom de exportação de matérias-primas da Austrália, mas está sob ameaça à medida que a economia chinesa abranda e os preços do minério de ferro caem. Somado às suas aflições está o ascendente custo de produção.

No final do ano passado, Rinehart fez um vídeo argumentando que os australianos precisavam de aceitar salários mais baixos porque as pessoas em África estavam dispostas a trabalhar por $2 por dia. Mas no vídeo de hoje ela parece ter-se apercebido que mesmo isso não seria suficiente.

“Pagar menos aos australianos é uma parte da solução, mas não pode ser a solução total. De nada serve pagar a alguém se esse alguém for demasiado preguiçoso, bêbedo e estúpido para operar convenientemente o nosso sofisticado equipamento mineiro. Portanto estou disposta a pagar um salário decente, desde que obtenha o filho de um médico e não o filho de um empregado de bar fracassado a viver da assistência social. O problema é que as classes desfavorecidas parecem estar a gerar pessoas inteligentes e eu não consigo encontrar em nenhum lado um trabalhador decente.
É aqui que entra o nosso governo. Ao impedir os pobres de procriar, podemos criar uma nova classe de australianos inteligentes, trabalhadores e bem pagos que forjem a nossa futura economia.”

Rinehart foi recentemente classificada em 16º lugar na lista da Forbes das mulheres mais poderosas do mundo, à frente da primeira-ministra australiana Julia Gillard.  A sua fortuna está estimada em mais de $21 mil milhões de dólares americanos.

Tradução: Isabel G


quarta-feira, 22 de maio de 2013

Cegos? Distraídos?



Andamos cegos. E distraídos. Limitamos a vida segundo a segundo, olhando-a apenas nos seus aspectos mais triviais, aqueles que alimentam o prazer imediato, que nutrem o ego, que tolhem a reflexão. O interesse está circunscrito ao ciclo vicioso do desejo-satisfação/prazer-desejo. A actual visão hedonista e solipsista da vida diminui, de modo dramático, a capacidade do indivíduo experienciar a existência em toda a sua amplitude.

Esta visão redutora, que coloca os indivíduos num sulco rotineiro, onde a vida é talhada à medida das tendências da corrente dominante sem que disso eles se apercebam, se por um lado gera uma vivência cega e inconsciente na corda bamba, na eterna iminência do perigo, por outro, permite uma entrega voluntária e duradoura ao doce torpor da ignorância, à ilusão tomada por realidade.

Aprisionámos a percepção numa torre de marfim. Programámos a inteligência apenas para o jogo-de-cintura exigido pelo quotidiano fútil, pleno de objectivos supérfluos e de necessidades inventadas. Calámos a voz interior para que não constituísse contrariedade. E fechámos os olhos, cegámo-los à força, para não vermos nada mais que os fátuos clarões do chamado progresso.

Mudos porque calámos as palavras da alma, surdos porque amordaçámos a voz da consciência e a voz do silêncio, cegos porque nos deixámos ofuscar pela monumental ilusão do transitório. Como se tal não bastasse, deitámos ainda mão da distracção. E a distracção, essa grande fingidora, é o garante de que “tudo está bem” e que “nada se passa fora do dito sulco”!

Há que abrir os olhos. Os da cara e os da alma!

Se os abríssemos, e se nos atrevêssemos a olhar para cima, talvez descobríssemos coisas “novas”. Talvez nos questionássemos quanto ao que fazem aqueles rastos no céu…


Talvez nos interrogássemos sobre o porquê de uns jactos deixarem rastos de condensação que quase logo desaparecem, e outros deixarem estranhos rastos que perduram, que se espessam, que se alargam, que vão pintando o céu de um ténue mas triste cinzento…



Talvez nos surpreendêssemos com os padrões desenhados no céu (em rede, ou em múltiplas paralelas) e achássemos que os padrões de voo não são normais…



Talvez considerássemos esquisito que alguns aviões consigam descontinuar e continuar esses rastos…


Talvez achássemos que a afluência de aeronaves numa determinada hora de um determinado dia é inusitada…


Talvez nos sentíssemos impelidos pela curiosidade despertada e tentássemos saber o que se passa. Então contactaríamos as autoridades aéreas mas ouviríamos explicações pueris. Contactaríamos os meios de comunicação social que se mostrariam totalmente desinteressados. Perante o muro intransponível que se iria erguendo, investigaríamosprocuraríamos informação, buscaríamos explicações. E como gotas de chuva dispersas, porém filhas da mesma nuvem, causas e origens iriam surgindo. Surgiriam factos, dúvidas e muita desinformação. E os olhos da cara começariam a abrir-se. Os da alma também.

É implacável a marcha destruidora do Homem sobre a Terra. Inexorável o seu desejo de supremacia sobre a Natureza. Infame a sua desmedida ambição. Patética e grosseira a sua sede de controlo. Mas nem assim deixamos de ser cegos e distraídos, surdos e mudos.


Nota: Todas as fotografias foram tiradas por mim, nos céus do norte de Portugal, entre Outubro de 2012 e Maio de 2013.

domingo, 28 de abril de 2013

J. Rentes de Carvalho: Há Que Lê-lo. Ponto.


Haverá sempre, entre o Homo Sapiens, espécimenes de alguma forma imperfeitos, inacabados. Não do ponto de vista biológico, mas daquela parte imaterial do Homem que, existindo, faz dele um ser integral. Aquela parte do Homem que o faz ver para além do simples olhar, escutar para lá do ouvir, perscrutar as profundezas do sentir sem ficar na vã superficialidade do trivial. São muitos, lamentavelmente, os espécimenes que dela estão desprovidos (vejam-se, por exemplo, os comentários de um tal Montez). E por força da sua incompletude sobra-lhes porém, - porque naturalmente, pela lei da compensação, se lhes aguçou - sobranceria em tosco carácter, vaidade em rudimentar autovalorização, enfatuação em ridículo ensoberbecimento. 

Mas há aqueles que são completos, inteiros. Aqueles que consideram a vida em todos os seus aspectos e profundidades. Aqueles que passam a fronteira do comezinho apenas habitado pela insuficiência, pela mesquinhez, pela incapacidade. Aqueles que avançam, sem medo, ou até com ele, pelos caminhos, sinuosos sim, mas muito sábios, da vida integral: os que são trilhados pelo corpo e, ao mesmo tempo, consolidados pela alma. Exemplos? Poucos, infelizmente, mas há-os, e um deles é o escritor contemporâneo J. Rentes de Carvalho! Sou incondicional admiradora, quer do próprio, quer da sua inigualável escrita. Há que lê-lo. Ponto.


Escreve ele em “O Rebate” (1971), publicado pela Quetzal em 2012:

Estranha, esta angústia do presente, do futuro.
Estranha, a imobilidade em que me perco, como se tivesse milhões de horas para esbanjar.
Estranho, o medo que me prende.
Estranha, a inconsciência com que governo o dia-a-dia (a vida, essa, é ingovernável…).
Não sou o primeiro que deseja o repouso do não-ser, gasto pelos amanhãs que não vêm – ou temendo-os – pernas e mãos bloqueadas, cérebro vazio, nauseado, sem saber.
Amanhã!
E amanhã será como hoje, como ontem, insatisfeito, triste, longe, mas enraizado naquela terra donde vim!
Indiscutivelmente, J. Rentes de Carvalho é talento, é genialidade, é completude! 


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Licença Creative Commons
This obra is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 2.5 Portugal License.